• Revista Gruvi

Um mês cheio de estreias: confira os primeiros lançamentos de março



Ajoelha e Reza - Luna Vitrolira (clipe)


A potência da poesia de Luna Vitrolira não é nenhuma novidade. Em julho de 2020, quando participou da primeira edição online do Festival Coquetel Molotov e deu uma entrevista pra gente, Luna deu spoiler do seu disco que está por vir.


Tendo o amor próprio como norte, o single “Ajoelha e Reza” é uma forte demonstração da nova forma de expressão da poeta e escritora que agora se lança no mundo da música. Com uma letra que fala sobre o poder do sagrado feminino, que por vezes é profano, o single apresenta uma sonoridade instigante e dançante, com uma batida eletrônica que casa perfeitamente com a voz mística de Luna.


No clipe, lançado no dia 11 de março, Luna aparece bela e poderosa, dançando, encarando as câmeras e versando sobre o domínio de ser uma mulher que conhece seus encantos e poderes.


Confira o clipe de Ajoelha e Reza:




Lamento - Afroito (clipe)


Quem está acompanhando as Gruvilinas Sessions recebeu esse lançamento em primeira mão!


O artista olindense Afroito lançou o clipe da canção “Lamento”, single que compõe Menga, seu disco de estreia que será lançado no dia 26 de março. Tendo o coco de roda como ritmo basilar da canção e de todo o disco, Lamento fala sobre a dor do desapego. O clipe, lançado no dia 12 de março, foi gravado pelas ruas do Recife e conta com uma performance sensível e marcante da artista IARA.



Além de “Lamento”, Afroito apresentou mais duas canções inéditas do disco Menga em sua participação nas Gruvilinas Sessions. Vale a pena conferir e ficar ainda mais ansioso pro lançamento do álbum completo.




Modelo do Instagram - JOMA


É beleza negra que você quer? Então assista “Modelo do Instagram”, novo clipe do trapper JOMA em parceria com KR e produção da HoodCave.


Com um beat bem envolvente e viciante e boas doses de ostentação, beleza e romance, “Modelo do Instagram” é um LoveSong não muito tradicional, onde o artista fala sobre um romance que é atravessado pela luxúria.


O clipe, protagonizado por JOMA e pela modelo Gabriela Bezerra, traz uma narrativa fiel à canção e exalta ainda mais a beleza do casal afrocentrado e cheio de hype.


Confira o clipe:


Venas Abiertas - Abelardo (single)


O single de estreia da banda Abelardo, lançado no último dia 11, aborda várias convergências entre os povos latinoamericanos, entre eles, a instabilidade contínua bem justificada na obra clássica que emprestou o nome à música do grupo pernambucano.


Com uma sonoridade que flerta com gêneros como indie rock e uma guitarra quase um slow rockabilly, Venas Abiertas é um som impactante, político em sua essência, que nos deixa curiosos para saber o que os estreantes preparam para o futuro. No YouTube, eles lançaram um lyric vídeo com imagens de acontecimentos que marcaram o continente.


Confira:



Baile de Favela - MC Leozinho (Clipe)


Nome conhecido do brega recifense e dono dos hits “Osmir da João”, “História de um muleque” e “Cenário Louco”, Mc Leozinho lançou o clipe “Baile de Favela”. A música deixa evidente os anseios do pernambucano de navegar por outros ares, embora ainda dentro do brega-funk.


Nos anos 2010, Leozinho ficou famoso por cantar sobre as suas vivências nas periferias do Recife. Em suas canções, o MC abordava temas como violência e abuso policial. Na época, o brega-funk de passinho ainda não estava em evidência e o brega ostentação, que tinha uma sonoridade muito influenciada por ritmos como hip hop e funk, era o que tocava nas rádios da cidade.


Se adaptando às novas exigências do público e do mercado musical, Mc Leozinho aparece com uma nova estética influenciada pelo brega-funk, com uma canção dançante que fala sobre a ostentação e erotismo.




Okalonam - Batismo de Ogã (single)


Formado por Rafa Almeida (percussão da banda Cordel do Fogo Encantando), Emerson Calado e Nego Henrique, o grupo Okalonam lança Batismo de Ogã, seu single de estreia. O nome da banda vem da expressão da língua iorubá, que junta os termos "oka", casa dos índios, e "lonam", caminho, significando algo como "caminho de casa".


Partindo do mote da ancestralidade e da música diaspórica, o trio articula um potencial da percussão, aos metais, as batidas eletrônicas e sintetizadores. Não só em um movimento de "volta para casa", mas imaginando possibilidades de futuros nessa jornada. O resultado é uma sonoridade por vezes hipnótica e em outros momentos mais atmosférica.


O grupo está gravando seu primeiro disco, que teve aprovação pela Lei Aldir Blanc no edital de 2020. O álbum de estreia ainda não tem data pra sair.


Ouça a canção:


Mergulho - Mooniz (Álbum)


Com uma estreia de ótima produção e articulação instigante com o pop, o artista pernambucano Mooniz lança Mergulho. Criado durante os primeiros meses de pandemia, o disco é representante dessa leva localizada na solitude reflexiva e mergulhos introspectivos. Com uma mistura de trip hop, synthpop, chillout e música popular brasileira, o grande ganho da estreia do músico está em articular sonoridades de tanta personalidade em um construção de storytelling criativa.


Além da qualidade do timbre suave e melancólico de Mooniz, o disco é marcado por sete faixas e três colaborações: Polyenso, Lucas Silveira (Fresno) e Katarina Nápoles (Guma).


Ouça o disco completo:


Tá na mira - Irac ZS (Clipe)


Rap moderno, trap e hip hop clássico são sonoridades que se misturam no single de estreia do rapper pernambucano Irac ZN. Em uma discussão sobre as vivências da juventude negra no Brasil, “Tá na Mira” evidencia um cenário de violência intensa ao mesmo tempo que aciona a resistência dos jovens negros a partir da pescpetiva do artista - um homem negro que nasceu nas comunidade de Jaboatão dos Guararapes e se utiliza da arte para driblar o racismo e desigualdade social.

A canção foi lançada no dia 12 de março, já acompanhada de um impactante videoclipe que traz imagens da realidade desigual da Região Metropolitana do Recife, sobretudo quando o assunto é o enfrentamento da pandemia da Covid-19. O trabalho tem produção musical assinada por BB Beatz e co-produção de Magno Brito e Thiago Brandão.



De Novo - Barro ft. Luísa Nascim (Clipe)


Com inspiração no passinho e uma atmosfera que remete à malemolência do carnaval pernambucano, Barro e Luísa Nascim lançam o single “De Novo”.


A canção já ganhou um clipe que deixa qualquer um com saudade do calor humano; e talvez a principal mensagem da música é a de que em breve teremos esse momento de volta. Com tom de esperança e saudade, os versos dançantes dizem: “E o povo/Tá querendo se encontrar/De novo/ Tá querendo se beijar/E o povo/Tá querendo se amar/De novo”.


O clipe tem a direção de Luara Olívia e Bruno Veras e produção Musical de Barro, Marley no Beat e TomBC.


Confira:


Palavras de Amor - N’ Zambi (Álbum)


Das raízes fincadas na ancestralidade à necessidade de lançar à vista temas que visam tornar menos caótico o cotidiano atual, um dos mais atuantes grupos de Reggae do Brasil, N’Zambi lançou “Palavras de Amor”, seu terceiro álbum de estúdio. O disco reverencia os 18 anos de carreira da banda e certamente entra na lista de apostas que selam os pernambucanos como ponto de referência no cenário nacional.


A vasta discografia de N'Zambi conta com participação direta do cantor George de Souza e do baixista Diego Ilarrás, ambos que compuseram todas as dez faixas do mais novo trabalho. Entre as temáticas abordadas na produção do disco, a banda canta sobre relacionamentos, afeto, e amor - questões, que segundo os próprios integrantes do grupo, estão sendo mais pedidas em tempos pandêmicos -, a exemplo da faixa Conflitos de Interesse. “Eu vou cantar para encontrar a paz que incendeia [...] Achando-se perdido, procura emoção. Quer um conselho, amigo, cale o egocentrismo, escute o coração”.


Ou Se Foi Deus. "Suas tranças lindas pairavam no ar, fotos a recordar, mente despreparada [...] a nossa natureza tem valor, então cuidemos com carinho do outro". Apesar da correlação entre romantismo e afetividade, N'Zambi não deixa de revisitar as raízes libertárias e, claro, também afetivas sobre a ancestralidade. Todas as canções dão o tom político do disco, afinal de contas amor, afeto e ancestralidade nos constituem. Por outro lado, outras música trazem reflexos do ruído sangrento da pandemia e da política nacional, com a faixa "Derruba o Bozo", clássico protesto as várias formas de violência praticadas por Bolsonaro, no discurso e na prática.


"Palavras de Amor" conta com a produção musical de Buguinha Dub e traz parcerias com nomes como Diomedes Chinaski e Gabriela Martinez. Para celebrar o lançamento do disco, junto aos 18 anos de existência, a banda vai apresentar as dez faixas autorais no próximo mês, em uma Live Show Especial com transmissão em seu canal oficial do YouTube. A promessa é que, além das canções inéditas, músicas que consagraram a banda pernambucana no cenário nacional não serão esquecidas.



86 visualizações0 comentário
frufru.png