Metade do ano já foi: confira os últimos lançamentos de junho


Juninho do Coco ao lado de sua avó, mestra Dona Vitória Ferreira. Créditos: Divulgação

Juninho do Coco - Meu axé (álbum)


Música é um registro histórico e o álbum “Meu Axé”, de Juninho do Coco, é uma prova disso. Lançado no dia 29 de junho, a obra nasceu do desejo do artista em criar e registrar a cultura popular do seu território em Amaro Branco, Olinda. Herdeiro de uma bagagem pesada de referências culturais, Juninho formou um fonograma que reverencia composições tradicionais do coco, com letras feitas por sua avó, a mestra Dona Vitória Ferreira.


O trabalho foi realizado pela Casa das Matas do Reis Malunguinho e Quilombo Cultural Malunguinho, com incentivo da LABPE – Lei Aldir Blanc de Pernambuco e tem direção musical e fonográfica de Alexandre L’Omi L’Odò.


Com faixas inéditas e autorais, o disco é capaz de causar emoção e trazer bastante alegria através das tradicionais batidas do coco e letras que saúdam os caboclos e a jurema sagrada.


Entre as composições do álbum, destacam-se as faixas: “Papagaio Louro”, do cancioneiro sagrado da Jurema, arranjada em cordas pelo grande músico Rubens França; “Lá no meu terreiro”, trazendo a força do catimbó com muita mazurca; “A barra da lua cresce”, do Mestre Ferrugem, que ensinou pessoalmente a Juninho do Coco os versos de improviso nunca cantados antes pelos coquistas.


Ouça Meu Axé, se alegre e mate a saudade de uma roda de coco:


Afojubá Batuque - Raiou o Sol (clipe)


Para celebrar os 15 anos de formação, o grupo percussivo Afojubá Batuque lançou o clipe Raiou o Sol. Saudando as influências dos ritmos da cultura popular pernambucana, como coco de roda, maracatu, caboclinho e manguebeat, o clipe emociona e sensibiliza.


As imagens do cotidiano dos integrantes do grupo se relacionam com paisagens da cidade e das praias do Recife, criando uma atmosfera saudosa e cheia de referências. “Raiou o sol, clareou o mar, quero ver essas ondas pra minha mãe iemanjá”, diz o refrão da música.


Uma produção que reverencia a cultura popular, a cidade e a divindade Iemanjá. Confira o clipe:



Itapuana - Diário de Uma Mãe (clipe)


“Só nos castelos pensando em como sobreviver, meus filhos precisam de mim, eu não posso morrer”. Esse trecho da canção Diário de Uma Mãe, da artista pernambucana, Itapuana revela a sua experiência pessoal como mãe solo e artista.


Com um clipe lançado no dia 27 de junho, a composição é um desabafo e um registro potente das vivências de uma mulher preta moradora do Recife. A produção audiovisual traz imagens em preto e branco de Itapuana e seus filhos pelas ruas do seu bairro. Em comunhão, clipe e música criam uma poesia tocante e sensível. Vale a pena conferir e se emocionar:



Doutor Manhattan - Kirbjam (single)


A partir da estética Do It Yourself, o projeto de indie rock recifense Doutor Manhattan lança Kirbjam, seu segundo single. Depois de lançar espelhos, no segundo semestre de 2020, banda volta com nova música que usa o personagem da HQ Watchmen como uma metáfora para pensar o dilema presente entre o perfeccionismo e o isolamento.


A sonoridade do grupo passeia por referências do indie noventista, do rock clássico e remete diretamente ao som produzido na segunda metade dos anos 2000. O grupo é formado por Arthur de Andrade (Vocais, Baixos, sintetizadores, guitarras, percussões eletrônicas) e Jadiewerton Tavares (Bateria).


Confira o single:


Devotos - Nossa história (single)


Conhecidos pelo original Punk, Rock, Hardcore Alto José do Pinho, a banda Devotos lança novo single e anuncia álbum inteiramente dedicado ao Reggae. Com 33 anos de projeto, a banda trará no projeto 10 releituras e a inédita Nossa História. A ideia do projeto é pensar a banda a partir de um gênero popular e marginalizado como o reggae, buscando uma união entre os rolês punk e reggae da periferia da RMR. Além disso, pensando ambos os gêneros como agentes de crítica social.


"Difícil é falar pra vc que não se importa com aquilo.

Difícil é pensar quantos já foram oprimidos."

Confira o novo single:


Hórus - Damião (ft. Rimocrata) (clipe)


Levando o nome de Damião, escravizado que em 1880 matou um feitor do Engenho Cangaça, Hórus lança um clipe cinematográfico que remonta a paisagem rural marcada por cicatrizes escravocratas. O som, que conta com uma levada da capoeira, tem a participação do rapper pernambucano Rimocrata, e traz em sua letra narrativas de emancipação e reparação histórica. “Reparação vai ser na marra até que tenhamos paz, terra e pão”. A letra é assinada por Hórus Beatz, Rimocrata, Douglas Germano e Everaldo Silva.


O clipe tem direção de Cleiton Oliveira, Maria Beatriz (roteirista) e Paulo Victor (câmera e edição de vídeo).


Confira o clipe:

Turvura - Maré Viva (clipe)


Leve, mas intenso. Assim pode ser descrito Maré Viva, trabalho visual produzido pela banda pernambucana Turvura. O clipe já está disponível nas plataformas digitais e conta com as performances de Gabi Carvalho e Laís Senna. "Há de se crer no encanto para entender a ciência / há de se ler a poética para entender a política".


A música, encenação e os demais aspectos visuais da obra dialogam com a representatividade do grupo, idealizado e composto por mulheres. A canção narra a história de uma mulher que se permite olhar para dentro de si e encontrar forças para seguir, conforme descreve o grupo nas redes sociais.


"Força que levanta e na mesma intensidade, derruba. Porque na força também habita o medo, a insegurança, a desconfiança e a raiva. Maré Viva é sobre a mesma mulher reconhecer os dois lados que a complementam. É sobre aceitar que imagem do espelho é mutável e cada dia é uma nova versão do mesmo ser".


A direção, roteiro e produção executiva têm assinaturas de Dandara Cipriano.



Mestre Luiz Paixão - Forró de Rabeca (álbum)


Chegou a hora de afastar o sofá, a mesa, as cadeiras da sala e começar o arrasta pé. Ou, se preferir, sentar com uma boa companhia e aproveitar. O novo trabalho de mestre Luiz Paixão, Forró de Rabeca, permite ser desfrutado de várias formas.


A obra é uma verdadeira reverência à rabeca, instrumento bastante presente na tradição familiar do artista, que, aos 72 anos, segue perpetuando a arte instrumental da Zona da Mata pernambucana. Lançado pelo selo Sesc, o álbum traz a mistura de gerações e sonoridades nas 14 faixas que o compõe. Os cantores e compositores Renata Rosa e Siba Veloso, inclusive, foram alguns dos escolhidos pelo mestre para participarem do trabalho.


Samba da Santa, Pé de Lírio, Forró de Rabeca, Maria Pequena, Baião Arrochado, Amor Amor Amor, Forró do Cambiteiro, Samba das Rabecas, Ciranda da Macaxeira, Dona Maria o Coco é Redondo, Menina Linda, Farol de Olinda, Trupê do Cavalo, Urro do Boi são as canções que dão vida ao disco, já disponível nas plataformas digitais.



Arquétipo Rafa - Muro (clipe)


Utilizando-se de linguagens artísticas interseccionais, como a música e o cinema, o pernambucano Arquétipo Rafa lançou Muro, disponível desde o dia 30 de junho nas plataformas digitais. A obra traz o artista em uma performance provocadora ao lado de Ciça Teivelis Meirelles, no qual reivindica a desobediência como resposta à brutalidade do mundo.


"O Filme fala sobre a necessidade de desobedecer os muros e desaguar o lado que menos se espera de nós, o lado revolucionário", comentou o artista, sobre o clipe que se configura sob uma atmosfera densa e incômoda.


O clipe de Muro foi dirigido por Gustavo Auricchio e a produção musical contou com DEZCOMA (Pedro Macedo). Com esse trabalho, Rafa conclui um ciclo de três anos de lançamentos, que trazem uma unidade estética iniciada com o seu trabalho de estreia (Ode ao Óbvio - 2018). O pernambucano, agora, se prepara para entrar em uma nova fase artística.



Sispaiando - Adalberto (EP)


Palavras e cantoria são o patuá do músico garanhuense Adalberto em “Sispaiando", trabalho solo de estreia do artista. Com quatros canções, o EP faz uma composição a voz e violão que relembra a tradição dos trovadores agrestinos e espalha (como sugere o nome) a cultura regional através de atos de reafirmação e resistência.


Vale destacar o lirismo de Adalberto em Sispaiando, que entregou belíssimas poesias musicadas sobre fé, palavras, amor, saudade e ancestralidade. O EP traz um efeito de escuta que não nega a caminhada artística da música, que tem suas raízes na oralidade e na palavra cantada do Nordeste.


Com direção musical assinada pelo sanfoneiro Júlio César Mendes, o EP celebra a cantoria do Agreste. As canções contam com participação de Almério, Audejan, Gido Silva e Rogério Diniz


O trabalho foi possibilitado com o incentivo da Lei Aldir Blanc em Pernambuco, confira:


PAPAMETRALHA - Maya (single)


Em seu single de estreia, a artista recifense Maya escancara os “entulhos de não ditos” do imbricado nas cidades, abordando em sua canção “PAPAMETRALHA” a violência urbana sofrida diariamente. Em um canto letárgico, a artista passeia pelos cantos mais obscuros da cidade e do cidadão: “Escatologia citadina esculpida sem pressa”.


O single foi lançado junto a um visualizer feito pelo ilustrador Lehi Henri mostrando uma personagem flutuando em meio aos arranha céus de uma cidade escura e presenciando “incêndios” em cada esquina.


Confira:



Agreste Beat Sounds - Lucivan Max


Primeiro trabalho solo do músico Lucivan Max, “Agreste Beat Sounds” traz um diálogo harmonioso entre elementos sonoros característicos da cultura pernambucana com texturas eletrônicas que dão uma roupagem de música pop às músicas que compõem o EP. As cinco faixas têm a capacidade de evocar paisagens sonoras das quais estamos bem familiarizados; no entanto, Lucivan insere elementos nessas paisagens que as transformam por completo.


Viabilizado com os recursos garantidos pela Lei Aldir Blanc, Agreste Beat Sounds foi gravado no Studio Di Fagner, em Caruaru, e no Rad Lab, em Recife. No disco, também tocam Thiago Rad (arranjos, violões, violas, teclados, baixo e guitarras), Joanatan Richard (teclados e direção musical), Luccas Maia (samplers, baixo, edição e mixagem), Felipe Tanaka (Pífanos), Júnior Franceis (caixa de guerra) e Júnior Evangelista (masterização).


O EP está disponível pra audição nas principais plataformas de streaming. Confira:



53 visualizações0 comentário
frufru.png