• Revista Gruvi

Músicas para desacelerar, brega e muito mais: confira os primeiros lançamentos de abril

Outra terra - Carina Mayara e Sargaço Nightclub (single)


Outra Terra é um single desafiante, e consequentemente instigante. Da MPB, Indie, música celta ao rock. A canção composta por Carina Mayara e gravada em parceria com o duo Sargaço Nightclub, conta com voz principal de Carina Mayara e Sofia França. Carina se considera uma cantautora, que passeia entre a nova Música Popular Brasileira (MPB) e as sonoridades indie-folk em suas canções. E um dos fortes está na composição, ela escreve: “Os sonhos descritos na terra/ Ele há de acender o Sol/ O nome descrito do fogo/ É aquele que se opõe à dor/ Para a alma sobreviver/ Ao labirinto que é o coração humano”


Na pandemia, a artista lançou seu primeiro trabalho autoral, o EP intitulado Procuram-se As Flores Das Minhas Veias, nome homônimo de uma das canções do disco.


Confira o single:


Música Tronxa - Enrique Albino (álbum)


Música Tronxa surge como um processo de quatro músicos entre o jazz e gêneros brasileiros. Mas, antes de um produto singular como um disco, Música Tronxa se desenrola como um conceito e norte estético disforme e inventivo. O disco é a estreia de Henrique Albino, ao lado dos músicos Felipe Costta (sanfona), Filipe de Lima (baixo elétrico) e Silva Barros (bateria).


Com seis faixas instrumentais, que vão de 6 e 10 minutos cada, o disco articula raízes musicais pernambucanas com um “fervor” e gêneros musicais negros, através de uma linguagem vacilante e expressiva do jazz. O resultado é um trabalho muito complexo, autoral e multifacetado.


Ouça o álbum:


PC Silva - Loja de Chocolate (single)




Intitulada Loja de Chocolate, em referência à investigação de lavagem de dinheiro operada em uma empresa do senador Flávio Bolsonaro, o novo single de PC Silva traz sua leveza lírica e instrumental solar para uma letra cheia de referências e ironias à situação política do país.


“O País parece uma grande mentira diária. Uma grandiosa e impossível realidade às claras, à luz do dia e à queima roupa. Absurdos sempre existiram ao longo da história política", pontua o artista. Esse é o segundo single de PC Silva desde o lançamento do disco “Amor, Saudade e Tempo”, que articula os três temas do título em canções compostas ao longo de uma década.



Confira a canção:


Casca - felipesdds e biaquintella (single)


Com fortes influências da PC Music e synthwave, felipesdds (Amandinho e Desgraça) lança o single Casca. A música passeia por uma sonoridade muito plástica, repleta de camadas e conta com os vocais de biaquintella. Em sua composição, Casca lembra inquietações e vazios em narrativas e temas que já apareciam no trabalho de Felipe na Amandinho. No single, o vocal biaquintella é uma eu-lírico feminina entrecortada por trechos em spoken-word gravados por felipesdds. A música teve produção de Smhir Garcia e foi lançada pelo selo Life’s Too Short.


Confira o single:


LUA - Lua Costa (EP)


“Do que vale a corrida todinha sem poder apreciar?”. O trecho da canção “Espera o Tempo” exprime com maestria toda a atmosfera do EP “LUA”, da multiartista pernambucana Lua Costa.

Reunindo seis faixas que passeiam pela cultura popular, estilo armorial, blues e ritmos mais modernos, o trabalho é um prato cheio para quem busca desacelerar um pouco; lembrar que ainda há beleza nos pequenos detalhes da vida cotidiana e atentar para o respeito às fases, individualidade e subjetividade de cada um.

Gravado no estúdio Carranca, o EP conta com participações de nomes como Vinícius Vogal e Estesia; quem assina a produção musical é Jam Silva.

Confira:


Tomando uma no Sereno - Pedro Vilela (EP)

É com uma promessa muito nostálgica para os pernambucanos que o cantor Pedro Vilela estreia sua carreira solo. O EP “Tomando uma no Sereno” resgata o brega clássico dos anos 70 e 80. Com quatro canções e influências como Reginaldo Rossi, Evaldo Braga, Balthazar, Elino Julião e Paulo Sérgio, o trabalho mergulha na dramaticidade e “cafonice” intrínseca ao ritmo, elementos que se fazem presente desde a capa do disco até à sonoridade e temática.

Para o artista, que iniciou sua trajetória na banda recifense “O Quartinho”, a paisagem sonora do Recife o influenciou e esse trabalho é uma resposta a essas influências da cidade, que é refletido na musicalidade dos metais quentes, na dramaticidade das guitarras, dos contrabaixos e das baterias marcantes da música brega.

Confira:


Não Me Deixa - IVYSON (Clipe)


Pense numa sofrência gostosa viu? O single "Não Me Deixa", do artista IVYSON, traz uma melodia que mistura o R&B e o trap, com uma letra que fala sobre amor e solidão.


No refrão da música, o cantor repete que: "tudo é pesado demais, não consigo mais a paz". Uma afirmação que condiz com esse contexto de desilusões e desespero em que vivemos, não é preciso estar sofrendo de amor para se identificar com a canção, afinal, qual brasileiro não está sentindo tudo pesado demais ultimamente, não é?


O single conta com um clipe com imagens em preto e branco do artista andando pelas ruas da cidade do Recife em câmera lenta. Visual e sonoro se complementam harmoniosamente para transmitir um sentimento de solidão.


Confira o clipe:


Na Roça Tá Chovendo - Roça Sound Feat. Jéssica Caitano (Clipe)


"Dá licença pro Nordeste poder entrar". O trecho da faixa Na Roça Tá Chovendo, parceira do grupo baiano Roça Soud com a pernambucana Jéssica Caitano, expõe bem as sonoridades e narrativas presentes na música que compõe o EP Roça Sound com Elas. Com uma mistura deliciosa entre ritmos típicos do Nordeste, como o repente e o coco, e o toque especial do sound system, a música é dançante e marcada pela rima afiada da artista Jéssica Caitano.


Com mais três faixas, o EP traz canções que mesclam culturas nordestinas e afro-americanas através de elementos do rap, ska e reggae, dentre outras influências de origem negra e periférica. A produção celebra a união dos estados brasileiros através dos ritmos de cada região periférica escolhida, vale a pena conhecer o trabalho do grupo baiano.


Culpa - Flaavy (Single)


Remoer os cacos e equalizar os sentimentos. A cantora e produtora musical Flaavy lançou Culpa, faixa de abertura do EP Cura, com lançamento previsto para o final do primeiro semestre de 2021. A canção autoral tem referências indie, gênero que vem sendo experimentado pela artista natural de Paulista.


“Produzir em casa é uma loucura. Sempre acontecem contratempos. Temos que procurar horários em que tudo esteja calmo para gravar. É desafiador. Esse lançamento é muito importante para mim porque estou amadurecendo musicalmente". Segundo EP produzido por Flaavy, Cura é uma continuação de "Remate", seu primeiro trabalho, e traz três músicas que abordam temas de superação. A canção de abertura, produzida na casa de um amigo, no Centro do Recife, reflete o término de um relacionamento, sob a ótica de que as ações do casal constróem o fim.


“Muitas vezes acham que só uma pessoa é a culpada pelo fim de um relacionamento. Em alguns casos até é, mas a dor cega e acabamos sem enxergar também os nossos erros dentro de uma relação. É algo melancólico que acompanha a intensidade do momento vivido”, explica Flaavy.


A produção de Culpa, já disponível nas principais plataformas digitais, conta com parceria do pernambucano Gabriel Soares, que também esteve presente em Remate.


20 anos de carreira - Leozinho (Série documental)


A cena musical pernambucana vai ganhar mais um documento histórico. Nesta sexta, vai ao ar o primeiro episódio da série documental Leozinho 20 anos de carreira. As duas décadas de trajeto do 'General' na música passam por caminhos que se cruzam.


Do rap - sua primeira influência - ao funk, quando lançou sucessos eternizados em suas experiências diárias e nas amizades que cultivou na vida, como "Baile Lotado", "Alô Léo", "Cenário Louco", "Bateu a Saudade" e "Osmir da João". Atualmente, Leozinho vem se debruçando sobre o brega romântico e recentemente deu seu marca-passo no bregafunk, com "Baile de Favela".


A série é dividida em três episódios. A previsão é que o primeiro seja divulgado ainda hoje. O segundo episódio vai ao ar na próxima sexta-feira (23) e o terceiro no dia 30 deste mês. O registro audiovisual conta com depoimentos de músicos da cena do bregafunk pernambucano, como Sheldon e Shevchenko, além de relatos da própria mãe de Leozinho e de amigos. A produção tem assinatura de Tássia Seabra.


A série documental, que celebra os 20 anos de carreira do artista, contou com incentivo da lei de fomento à cultura, Aldir Blanc.














61 visualizações0 comentário