• Heloise Barreiro

Luna Vitrolira: “Abalos sísmicos na mente e no coração”


Foto: Jan Ribeiro/Secult-PE


Uma dança ainda mais visceral e oriunda de mergulhos internos cada vez mais profundos. A poesia de Luna Vitrolira tornou-se mais sensível no cenário de impermanência em que se encontra. “Tudo recebeu mais intensidade, como um processo natural, uma consequência das minhas imersões”. Poeta declamadora, cantora, performer e professora, a multiartista recifense é parte do line-up do Molotov.EXE - versão virtual do Festival Coquetel Molotov, que realiza neste sábado (11) mais de 30 apresentações em palcos onlines distintos.


Sobre a sua apresentação no festival virtual, a artista prometeu “abalos sísmicos na mente e no coração” e indicou que pretende desmantelar ideias fixas e provocar reflexões com seus versos. “Meu trabalho fala sobre amor - em um lugar deslocado -, mas é sobre amor. Suas faces e farsas, suas violências, mas também sobre seu poder durante nosso processo de autoconhecimento”, disse. Luna é autora do livro ‘Aquenda: o amor às vezes é isso’, obra que foi finalista do prêmio Jabuti em 2019 e agora está passando por um processo de musicalização para ser reconfigurada em um álbum produzido pelo pianista Amaro Freitas.


A artista deixou no ar o mistério quando assunto foi a aparição do seu novo projeto na apresentação online do próximo sábado, mas a expectativa é que o público possa conhecer algum detalhe do disco ainda não lançado - resultado de um processo criativo definido como “uma construção que exigiu imersão absoluta, muitas horas de estudo e de estúdio e ao mesmo tempo liberdade para o exercício da intuição”. A poeta entra em cena às 19h, no palco Itaipava (conferir programação completa no final do texto).


Incontáveis histórias deram corpo ao lirismo de Luna, que por sua vez foi se tornando cada vez mais familiar com o poder da escuta, ato potencializado neste momento. “Se durante toda a minha trajetória eu sempre entendi a poesia como uma forma de me comunicar com as pessoas, de acessar seus lugares mais sensíveis e recônditos, de estabelecer elos, de amar, de me irmanar com meu povo, de abraçar o mundo, hoje eu me vejo fazendo isso com mais consciência, sobretudo com mais escuta”, conta.


Livre de qualquer imparcialidade, o trabalho artístico de Luna já nasceu posicionado politicamente (e guiado afetivamente). Trazer à tona uma realidade, ainda que dolorosa, é parte do trabalho que tem sido feito. “Acho importante no meu trabalho continuar falando sobre a nossa realidade, sobre a política genocida e etnocida desse país, sobre o feminicídio, sobre todos os tipos de violência que a gente sofre todos os dias”, explica. A crítica da cantora ultrapassa a denúncia e abre espaço para tratar o poder transformador da criação de consciência. “Temos o poder de transformar, a partir de nossas consciências, a partir de nossas práticas, entendendo como é que a estrutura opera sobre nós e através de nós, porque juntos a gente pode romper com muitas coisas”.


Nesse sentido, a artista afirma que a performance no Molotov tem a intenção de conversar com o público, que tem se tornado mais “aberto nesse lugar de troca”. “Falarei sobre a história de muitas mulheres e com certeza será um “se liga” para muitos homens que continuam fomentando essa ideia de masculinidade tóxica”.


O festival Molotov.EXE tem início às 17h do dia 11 de julho e segue com a programação até às 5h da manhã do dia seguinte. Para assistir às apresentações, que acontecem de forma mais intimista pelo Zoom, basta acessar a plataforma Sympla Streaming e fazer uma contribuição mínima de R$ 5,00 - valor que será integralmente revertido em doações para a Ecovida Cooperativa Palha de Arroz, um projeto formado por mulheres catadoras de materiais recicláveis.


Confira programação completa:

Palco Itaipava (17h - 23h)


Léo da Bodega (PE)

Gab Ferreira (SC)

Boogarins (GO)

Luna Vitrolira (PE)

Giovani Cidreira (BA)

Tássia Reis (SP)

Romero Ferro (PE)

MC Tha (SP)


Palco TNT (19h - 03h)


Tsar B (Bélgica)

Kai (PE)

Rayssa Dias (PE)

Déborah dos Falsetes cantando Mariah Carey (SP)

DJ Ananindeusa (PA)

DJ Cleiton Rasta (AL)

Iury Andrew (PE)

Badsista (SP)


Palco ¼ (21h - 05h)


000Preta (DF) (Vapo_r)

Anna Prior (UK) (Metronomy)

Bicudo (Portugal) (¼)

Mientras Dura (MG)

Noporn (SP)

Posada (RS) (Base)

Valenttina Luz (SP) (Mamba Negra)

Ultra (PE)


+ Performances:

Alma Negrot (SP)

Kitty Kawakubo (SP)

Lázara dos Anjos X Victor Piroli (MG)

Rezm Orah (MG/Portugal)

Aun Helder (SP)


Lounge Senta (20h - 00h)

Instalação SENTA com Vídeo-arte e set da DJ Pleasure (MG)


SENTA - Festa (00h - 04h)

Linda Green (SP)

Pleasure (MG)

Bae (SP)

+Performances com EDIYPORN


15 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

© revista gruvi. pernambuco, 2020
revistagruvi@gmail.com

Idealizada em 2020, a Gruvi é uma revista eletrônica sobre música pernambucana. Entrevistas, reportagens, resenhas e ensaios de produções relacionadas a PE.