• Revista Gruvi

Canções aquáticas, autocuidado e raízes: confira os últimos lançamentos de outubro


Foto: Flora Negri



O Amor é um Tubarão - Lirinha (Single)


Em nova versão, Lirinha lança o single de O Amor é um Tubarão. A música, composta para trilha do filme Piedade (2020), de Cláudio Assis, está disponível nas plataformas digitais nesta sexta-feira. A canção tem produção e a guitarra de Neilton Carvalho, da lendária Devotos. Quem assina a foto de capa é a pernambucana Flora Negri.


Em entrevista ao Correio Braziliense, Lirinha comentou o processo criativo do canção. "Fiz essa canção para a personagem de Fernanda Montenegro, dona de um antigo bar na beira de uma praia destruída pela ganância empresarial. E essa mãe canta com muito amor, para um filho que nunca viu, um filho que lhe foi roubado no nascimento".


A canção tem um embalo acústico e elementos eletrônicos bem sutis. O Amor é um Tubarão fará parte do terceiro álbum solo de Lirinha, ainda sem título, com lançamento previsto para o segundo trimestre de 2021.



Queda - Rua do Absurdo (Videodança)


Ainda amarrados à ambivalência da dança e suas diversas expressões corporais, a banda recifense Rua do Absurdo - formada por Caio Lima, Yuri Pimentel, Hugo Medeiros, Nelson Brederode e Bruno Giorgi - lança o clipe de Queda, canção que compõe o disco homônimo lançado recentemente.


O vídeo é mais uma parceria com a companhia de Dança Cia. Etc, de forma que os corpos abstrato e com movimentos imprevistos dos dançarinos são os protagonistas das imagens, podendo até encaixar o trabalho como um videodança. Falando neles, os dançarinos Filipe Marcena e Marcelo Sena também dirigiram o clipe, que foi gravado com a técnica de “timelapse” em um único take de 2 horas, resultando em um material final de 5 minutos e meio.


A história da Rua com a dança é antiga; assim como a parceria com a Cia. Etc, que existe desde 2011 e já resultou em trilhas sonoras para espetáculos, videodanças e pesquisas sobre a relação entre dança e música.



ODOYÁ - Caetana ft. Deize Tigrona (Videoclipe)


A artista pernambucana Caetana lançou o videoclipe da canção Odoyá, que significa Mãe das Águas e já vem pra anunciar a atmosfera do trabalho filmado na praia do Pina, na Zona Sul do Recife. A música é uma parceria com Deize Tigrona, que também faz aparições no vídeo junto com Caetana.


Com direção de Ernesto de Carvalho, Rennan Peixe e da própria Caetana, o vídeo traz um louvor à água e às raízes ancestrais das religiões de matrizes africanas, parecendo ressaltar a presença desses aspectos no Recife. Em frames que qualquer recifense reconhece, como a Praia do Pina e a Avenida Guararapes, a narrativa resgata a ancestralidade da cidade, seja pelo mar do Pina ou através das lojinhas que se amontoam nas proximidades dos Correios para vender artigos de moda afro.



A boiar - Mulungu (single)


O trio Mulungu é outro nome que já apareceu nas nossas indicações quinzenais. A boiar, terceiro single lançado pela banda, faz parte do disco O Que Há Lá, com previsão de lançamento para janeiro de 2021.


Segundo a banda, A boiar evoca uma ambiência que se relaciona a questões como autoconhecimento e autocuidado. “A música fala sobre experiências corpóreas de relaxamento, sobre se deixar levar em um estado de autocuidado e auto cura”, diz a banda. Tais temáticas são tratadas de forma quase explícita na letra de Jader, compositor e vocalista, mas também dialogam com as paisagens sonoras instauradas pela música. Aguardamos ansiosos por O Que Há Lá.



Antropia - Caio Lima (Clipe)


Em seu projeto solo, o músico Caio Lima, da banda Rua do Absurdo, lança o clipe de Antropia, canção de inauguração do disco em processo “Recife Inundado”, uma composição sobre os efeitos da crise climática numa imagem da capital pernambucana.


O vídeo é uma realização Linha do Tiro Filmes e foi dirigido por David Sobel e Caio. Conversando com uma das temáticas do álbum e também alinhado à identidade do artista, o trabalho é recheado de referências à fluidez da água e às sinergias da natureza, terminando com uma previsão impactante: “O Recife daqui a dez anos estará inundado”. A canção e o audiovisual parece ser um vislumbre do que será o disco.


Diante das evidências da profunda mutação climática que estamos experienciando de muitas maneiras, Antropia me parece com o início da travessia para compor modos de lidar com a catástrofe que marca o nosso tempo”, explica Caio nas redes sociais.



Enraizado - Ciel Santos (Álbum Visual)


“É homem? É mulher? Uma voz, apenas uma voz. Com cores, notas e desafinações inerentes ao imperfeito. Sou uma bicha matuta que se enfeita! ”

Os versos que iniciam “Enraizado”, álbum visual do cantor e compositor pernambucano Ciel Santos, apresentam bem o que está por vir no decorrer da obra. Com pouco menos de 12 minutos de duração, o filme é uma narrativa bem construída da trajetória do artista da cidade de Bezerros, Agreste do estado, que nas suas composições e performances une a cultura popular da sua terra e o androginismo do seu ser.


Integrando, arte, moda, dança, poesia e música, Enraizado traz influências renascentistas e da cultura popular do Agreste pernambucano com narrativas pessoais de Ciel Santos, que na obra se torna protagonista de diversas histórias e assume vários personagens que habitam um só corpo.


As canções que compõem o álbum visual carregam uma sonoridade que mistura ritmos mais tradicionais da música popular pernambucana com a MPB e o tango. Uma mistura que encaixa perfeitamente com a performance de Ciel Santos.

O disco Enraizado também já está disponível em todas as plataformas digitais. O álbum conta com 10 faixas autorais e uma regravação da música Carcará, composição de João do Vale e José Cândido.



Regalia - Juvenil Silva (Clipe)


O músico pernambucano Juvenil Silva lançou o videoclipe da música Regalia, que faz parte do Lonjura, EP que ainda está em confecção e deve ser lançado em breve. A música foi a primeira do artista disponibilizada em plataformas de streaming em um bom tempo, após uma série de lançamentos pândemicos (Isolamento Acústico I e II) em off, ou seja, que ficaram totalmente de fora da onda de streaming.


O clipe é uma montagem que combina a silhueta de Juvenil à imagens que dão tom a uma narrativa sobre isolamento social e desigualdade durante o contexto da pandemia da Covid-19. O vídeo traz a história do “Profeta do Novo Normal”, um personagem vivido pela ator Fernando Arruda. O ator explica que se inspirou na figura do Poeta de Rua, “amigo que escreve suas poesias em papelões e circula pelos semáforos do centro”, disse Juvenil. “A gente foi fazer as imagens assim que foi liberado o acesso ao calçadão da Avenida Boa Viagem. Nosso personagem causou bastante curiosidade com sua performance entre os nobres transeuntes”, completou o cantor.


O trabalho foi dirigido, montado, gravado e editado por Daniel Silva, com o auxílio do próprio Juvenil e de Raíssa Vila Nova na câmera. A música e o videoclipe foram produzidos no período do isolamento social, nas casas dos participantes em várias cidades do Brasil e em Londres; e no home studio da Vetor Vital Multimídia.


Adupé Obaluaê - Zé Manoel (single)

Adupé Obaluaê, single lançado pelo pianista, cantor e compositor Zé Manoel, combina uma letra que, segundo o artista, foi concebida num sonho, com arranjos potentes e enérgicos. Segundo o músico, "É uma faixa de DNA pernambucano e baiano". A música conta com a participação de Letieres Leite, maestro da Rumpilezz, responsável pela criação do arranjo de sopros.


O single estará no terceiro disco de Zé Manoel, Do Meu Coração Nu. Anteriormente, outro single do disco, História Antiga, já tinha aparecido na nossa lista indicações.



Com todo o meu amor - Igor de Carvalho e Alice Caymmi


Como uma flor desabrochando, correndo de encontro a natureza do interior do corpo e da alma. É sob os sintomas de embriaguês causado por sentimentos extremos, tão sentidos e expostos, que o pernambucano Igor de Carvalho se junta a carioca Alice Caymmi para dar vida ao seu novo single, Com todo o meu amor. A canção, lançada nesta sexta-feira, vem acompanhada de um vídeo animação, e será uma das faixas de composição do EP “Querido Caos”, com previsão de ser lançado pelo pernambucano em novembro.


A música é uma composição do próprio Igor de Carvalho com os músicos Juliano de Holanda e Lula Queiroga, com quem já trabalhou anteriormente em, 2014, com o lançamento do seu primeiro disco “A TV, a Lâmpada e o Opaxorô”. Com todo o meu amor aparece com parte de um processo identitário que vem sendo construído com base forte nas raízes locais, desprendido a novas incorporações. A sonoridade vagarosa do samba vai acompanhando as passadas certeiras das vozes dos artistas, que colocam lado a lado, dentro de uma dualidade perfeccionista e romântica, amor e ódio. Sentimentos que coexistem dentro da canção.


O clipe animação de Com todo o meu amor conta com produção do Ciberdelia, de Matheus Xavier, além de produção musical e arranjos por Rogério Samico. Bandolim e cavaco, de Rafael Marques e produção fonográfica e executiva de Igor.


“É sobre um ato de libertação, de bravejar. Aquele momento de expurgar uma relação tóxica onde a gente coloca a raiva, os choros e gritos para fora. Experiências da existência, que qualquer pessoa pode identificar em vivências amorosas, como um espelho".




89 visualizações0 comentário