• Revista Gruvi

Álbuns, releituras e web série: confira os últimos lançamentos de novembro



Acesa - Alessandra Leão (álbum)


“Acesa” é o novo álbum de Alessandra Leão, cantora, compositora e produtora pernambucana. Nas palavras da artista, o disco é dedicado ”às mestras, mestres, brincantes, poetisas e poetas”. Co-produzido por Caê Rolfsen, o trabalho segue a pegada regionalista sempre muito cara à Leão, mas com alguns arranjos que dão um toque mais experimental.


A canção “A Hora é Minha” conta com a participação marcante de Lia de Itamaracá; outras colaborações que ajudam a construir a sonoridade do disco são: Odete de Pilar, As Filhas de Baracho, Kiriri do Acré, Mestra Ana Rodrigues e Coco Novo Quilombo.


Aproveitamos o espaço para indicar outro produto do projeto “Acesa”, uma websérie com 15 episódios que integram o processo criativo do disco. Os vídeos ou “episódios-encontros”, mostram conversas com mestras, mestres, músicos e líderes religiosos, ligados às tradições do Coco, Ciranda, Maracatu de Baque Solto, Jurema, Umbanda e Candomblé.


Confira o disco:


Auroras - Têu (Single)


Coisa nova na área! O cantor e compositor recifense Têu lançou "Auroras". A canção, que tem como título uma das principais ruas do Recife, foi o primeiro single lançado pelo artista e já está disponível nas plataformas digitais.


Aos 21 anos de idade, a trajetória de Têu é atravessada por referências da MPB, samba, bossa nova e do baião. Essas influências refletiram na produção de Auroras, que mistura um forró alternativo com xote e elementos do pop.


"Auroras está diretamente atrelada à multissignificação da palavra que, em sua etimologia, abraça uma luz, um brilho, uma claridade que vislimbra e remete aos raios que refletem o sol da Rua da Aurora no Rio Capibaribe", diz o artista.


Confira:


Álgebra Trio (EP homônimo)


Com a força de uma sonoridade ancestral através de uma musicalidade instrumental e contemporânea, o Álgebra Trio lançou o EP que leva o nome do grupo. O trabalho, que conta com as faixas Malakoff Mantra, Dromedarius, Nueva Opinion e Meta-magia, ganhou asas através do selo Solto no Tempo e é carregado de representações visuais inspiradas nas relações matemáticas observadas nas composições.


"Em parceria com artistas gráficos do RUNA, buscamos construir imagens que pudessem representar uma síntese entre lógica, emoções e inspirações contidas em cada música. Através do som, somos capazes de perceber todos os tipos de propriedades espaciais: forma, movimento, peso e até força gravitacional, mas não existe de fato um espaço físico que o contenha. Esse espaço é criado dentro da nossa mente, ativando o seu poder adormecido de criar esculturas transcendentais", apontaram os integrantes da banda, que é formada por Maísa Nascimento, Rodrigo Felix e Rodrigo Gondão.


A mixagem e masterização do trabalho têm assinaturas de Philippi Oliveira.


Confira:


Blue Tree Salvador - Paes (álbum)


"Um mundo estranho, sem rumo tão cedo". Agora residente em Portugal, o pernambucano Paes lança seu quarto disco de estúdio, Blue Tree Salvador. O álbum é uma caminhada dentro do indie, psicodélico e lo-fi. Gravado durante um processo de isolamento em seu homestudio, o disco nasceu da melancolia, incerteza e nostalgia dos nossos tempos, em uma sutileza de texturas etéreas e heterogeneidade de sons e gêneros.


O disco traz participações e parcerias de artistas como os Boogarins, Carabobina, Àiyé, Murais, Julles, Al Jamal, entre outros. Foi editado pelo selo do artista, Abismmo.


Confira o disco:


Contramão - Joyce Alane (Single)


Nem sempre é fácil ter resiliência para se desprender de desilusões, mas é necessário. É o que canta Joyce Alane em tom suave e potente em Contramão, seu mais novo lançamento. A canção narra uma espécie de autosabotagem - dessas que podem acontecer a qualquer momento -, como se apaixonar por um/uma amigo/amiga e ressignificar, numa ótica unilateral, aquele relacionamento.


"Perdoa gostar um pouco demais de você/E desenhar o que não dá pra ser/Te acorrentar, te ver mais que amigo/Perdoa cobrar demais e querer sua atenção/Atropelei nós dois na contramão/Agora eu tenho que lidar".


A canção de quase 4 minutos traz uma melodia aconchegante e reflexiva. E também faz questionar: como será viver um amor platônico?


Confira:



"Tudo é Amor" - Amério canta Cazuza (álbum)


O cantor pernambucano Almério lançou, no dia 25 de novembro, o álbum "Tudo é Amor". Com 11 releituras, o disco é uma homenagem a Cazuza, uma influência declarada na carreira de Almério. Produzido por Pupillo e com direção artística Marcus Preto, o álbum conta com participações de Ney Matogrosso e Céu.


Entre as canções, estão os sucessos: 'O Nosso Amor A Gente Inventa’, 'Brasil' e ‘Minha Flor, Meu Bebê'. Além das mais conhecidas, também entraram para tracklist músicas mais "lado b";é o caso de ‘Companhia’, de 1987, composição dedicada a Zizi Possi e nunca gravada por Cazuza.


Um dos destaques do disco é "Eu queria ter uma bomba", na qual o pernambucano faz um dueto com Céu. Confira:



Meu Nome Não é Johnny - Diomedes Chinaski ft. Faz Tarcísio (single)


Expondo os sonhos e desejos de prosperidade em sua carreira como rapper, Diomedes Chinaski lançou "Meu Nome não é Johnny", em parceria com Raz Tarcisio. Na canção, os rappers cantam sobre as dificuldades de ascensão artística e os desafios que precisam enfrentar por serem jovens negros e favelados e sem privilégios financeiros. O rap tem um beat forte e traz uma lírica inspirada na DISS.


Confira:



30 visualizações0 comentário
frufru.png